sábado, 8 de maio de 2010


Gente!!

Semana do Dia das Mães não adianta...fico que é uma "manteiga derretida"...olha só este texto que achei(no blog de uma mãe de filhos que não tem síndrome de Down )...vale a pena repassar p/ vcs: É sobre o encontro dos seus filhos com um menino com síndrome de Down no parquinho de um Shopping Center.

Aprendendo a conviver com a diferença

Chega o fim de semana… E quem tem filho começa as orações pra Nossa Senhora do Programa de Indio. No último, depois de ter ouvido lamentações de segunda a sexta implorando por McDonald’s (o que pra mim significa: comida ruim, Coca-Cola com gelo, mesmo que você implore pra não colocar, repetir 364 vezes “termina o lanche!” e passar horas olhando pro nada esperando crianças se cansarem de brincar) me rendi. Como não sou boba fui preparada: aparelho de música com fone de ouvido e livro. E estava dando certo… Filho e amiguinho se esbaldando… só ouvia a gritaria de longe e percebia vagamente os vultos em minha volta… Até que chegou o João. Com uns 9 anos, a mesma idade dos meus (na verdade só tenho um, mas estou sempre com vários e quando estão comigo são todos meus) estava com a mãe e a irmã e ficou parado no canto do pátio observando a movimentação, como só as crianças sabem fazer… Aos poucos os três foram se aproximando e resolveram brincar de pega-pega. Quando ficaram exaustos se sentaram e foram jogar cartas de Bakugan (se você não faz a menor idéia do que se trata, fique apenas feliz por isso e esqueça o assunto). João distribuiu o baralho e eles passaram um tempão muito entretidos, até a mãe dele ter que ir embora, no meio de muitos protestos. Nada demais, não é? Apenas crianças brincando… Seria sim, não fosse por um detalhe: João tem Síndrome de Down. Quando ele chegou fechei meu livro e fui observar como ia interagir. A princípio pensei que fosse procurar as crianças menores, fiquei ainda mais curiosa quando vi que ele queria brincar com os “meus”. Sei que meu filho e seu amigo não têm nenhuma intimidade com pessoas com necessidades especiais, não me lembro de te-los visto antes com crianças que não fossem “normais”. Também não estão mais naquela idade em que tudo é natural e aceitável. Pelo contrário, estão começando a atentar para os enormes abismos que separam os seres humanos e muitas vezes, nessa fase, o grande barato é discriminar o diferente. Então não nego que minha respiração ficou um pouco suspensa.
Ele tem problemas de fala e dificuldade de entender regras mais complexas das brincadeiras, além, é claro, das características físicas. Mas eles driblaram esses obstáculos. João ficou sendo sempre o pegador e adorou! E os outros dois riam muito enquanto fugiam, mas sempre junto com o João e nunca dele. A comunicação também foi resolvida: eles ficaram perto da mãe do novo amigo e quando precisava ela fazia uma traduçãozinha. E pronto! Superadas as diferenças ficaram sendo só aquilo que sempre foram: crianças.
Óbvio que a babona aqui deu vexame. Ainda que tentando ser discreta não conseguia parar de sorrir e nem conter as lágrimas. Fiquei feliz. Orgulho pela coragem do João, que não se importando em enfrentar uma possível rejeição, fez o que teve vontade de peito aberto e com muita independência. E pelos “meus” meninos que lidaram com aquela situação tão diferente com delicadeza, elegância e generosidade. É claro que eles perceberam. Dentro do carro me bombardearam de perguntas, que respondi com toda sinceridade. Não deixei de ressaltar a importância e o valor da atitude deles e de explicar que muitas pessoas, até mesmo muitas crianças, não teriam tido um comportamento tão cheio de dignidade e naturalidade.
Adorei o passeio no McDonald’s.

Um comentário:

  1. Sou mae de um portador de sindrome de down e achei interessante a maneira como seus filhos e voce lidaram com a situação. Até porquê, não existe nada muito complicado em lidar com um down. Eles só precisam de oportunidades para mostrarem que são capazes. O que eles não devem e não podem ouvir é questionamentos como: "Será que ele consegue? Vai ser difícil para ele. Ele não vai entender, etc." Eles, na verdade não se vêem diferente de ninguém e sim vêem as pessoas diferentes dele. Pode não parecer, mas existe diferença. Parabéns1 Adorei seu blog. Bjs
    Aproveito para deixar o meu para que voc6e acesse e poste seus comentários. http://especiaisdt.bloggeiro.com

    ResponderExcluir