quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Estímulos na infância levam jovem com síndrome de down a fazer pós graduação.

Pais apostaram em exercícios e na inclusão em escolas comuns.
Estímulos físicos, motores e neurológicos feitos pelos pais durante a infância da portadora de síndrome de down Ana Carolina Fruit, de Joinville, em Santa Catarina, foram decisivos para determinar o futuro da garota. Hoje, aos 29 anos, a jovem tem pós-graduação, que completou no ano passado, trabalha em uma multinacional e conquistou a independência financeira.

LEIA MAIS AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário