segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

ONG Caminhadores


Com cadeiras especias, cadeirantes aproveitam o mar de Tramandaí
Ação também será promovido neste domingo ao lado da guarita 145.

Tramandaí - A sensação de liberdade proporcionada por um banho de mar pôde ser sentida por 20 cadeirantes da Associação dos Lesados Medulares (Leme) do Estado na manhã de ontem, em Tramandaí. Após perceberem que a praia não era um local comum de lazer para deficientes, o Sesi e a ONG Caminhadores, de Porto Alegre, montaram o programa Lazer Inclusivo. Por meio de uma cadeira especial, Vítor Damian, 40 anos, de Novo Hamburgo, sentiu novamente as ondas do mar. Cadeirante desde 2003, após sofrer uma lesão na coluna, ele não entrava no mar há seis anos. "Indescritível a sensação. É muito bom sair de casa, ver a praia cheia", conta. Um dos maiores objetivos do projeto, além de levar alegria aos deficientes, é mostrar às administrações públicas que ainda falta muito para que a praias sejam locais com acessibilidade. "Todos têm o direito de ir e vir. Iniciativas assim fazem com que as pessoas se acostumemcom a presença do deficiente e incentivam o convívio social ", afirma Maurício Fleck, secretário da Leme do RS. O banho de mar assistido também será promovido hoje, a partir das 9 horas, ao lado da guarita 145.

Cadeira anfíbia aprovada
O banho de mar só foi possível graças à cadeira anfíbia, projetada para que cadeirantes entrem na água com mais facilidade e não afundem, pois o equipamento flutua. Com as rodas maiores fica mais fácil movê-la pela areia.
A maioria dos cadeirantes conta que costumava usar as cadeiras de rodas comuns ou cadeiras de praia para entrar no mar, mas logo elas se enterravam na areia e ficava perigoso. "Foi muito mais fácil assim", conta João Luiz Antônio de Oliveira, 43 anos, que teve paralisia infantil aos 4 anos. Ele gostou da novidade. "Era algo que só víamos na televisão", revela.

Marco Maia recebe o deputado federal Romário


Romário apresentou proposta de evento na Casa para conscientização sobre a Síndrome de Down. Marco Maia apoiou o projeto.

O presidente da Câmara, Marco Maia, recebeu no dia 24, o deputado Romário (PSB-RJ). O parlamentar afirmou que pretende realizar na Câmara, no dia 21 de março, um evento em comemoração ao Dia Internacional da Síndrome de Down. O objetivo é esclarecer a população e promover a inclusão das pessoas com a síndrome.

Marco Maia garantiu o apoio da Câmara. "Um evento destes é uma oportunidade de dialogarmos diretamente com a sociedade e assim buscar formas de contribuir para o fim do preconceito e a efetiva inclusão das pessoas com Síndrome de Down", declarou.

Fonte:
Câmara dos Deputados

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Atendendo os pedidos das fotinhos





























I FEIRA PARAENSE DE TECNOLOGIA ASSISTIVA, ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA


I Prêmio de Tecnologia Assistiva e Acesssibilidade da Região Norte

Estarão abertas a partir do dia 01 de março as inscrições para o I Prêmio de Tecnologia Assistiva e Acesssibilidade da Região Norte, que será realizado em Belém. O Prêmio faz parte da programação da I FEIRA PARAENSE DE TECNOLOGIA ASSISTIVA, ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA que acontecerá no mês de setembro.
Para participar do Prêmio os interessados deverão submeter as inscrições de seus trabalhos no periodo de 01 de março a 31 de maio de 2011. Será permitida a inscrição em mais de uma categoria. A Tecnologia Assistiva procura desenvolver recursos que auxiliem as atividades das pessoas com deficiência, podendo ser aplicada ao campo das atividades físicas, sensoriais, intelectuais, psicológicas ou sociais.

Maiores informações e o regulamento completo estão disponíveis no site www.forumdetecnologiaassitiva.com.br ou pelos fones 3277-1909 e 9985-0584.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Fundação Síndrome de Down


Serviços de Formação e Inserção ao Mercado de Trabalho

O trabalho é a via pela qual as pessoas têm acesso ao mundo dos adultos e esse processo exige a construção de novas formas de relação e de comunicação, onde é esperado da pessoa certo grau de maturidade e responsabilidade. Vivenciar essa realidade nova e heterogênea, além de favorecer o contato com elementos que poderão contribuir para definição da própria identidade adulta, possibilita à pessoa com deficiência intelectual a elaboração de um projeto de vida fundamentado em critérios de realidade, e não baseado exclusivamente em sonhos, fantasias e falsas expectativas.Os comportamentos infantilizados, muitas vezes apresentados por pessoas com deficiência intelectual, são frutos da vivência em ambientes superprotegidos e se modificam quando estas pessoas se inserem em ambientes normalizados, que lhes demande autonomia e responsabilidade, e lhes possibilite crescimento e satisfação de suas necessidades pessoais, econômicas e relacionais. O trabalho do Núcleo de Formação e Inserção no Mercado de Trabalho está organizado em três serviços, que visam atender às necessidades de cada estágio do desenvolvimento da pessoa com deficiência intelectual: Curso de Iniciação ao Trabalho, Estágio de Formação e Contratação CLT.

A Fundação Síndrome de Down tem 20 jovens inseridos em grandes empresas da região.

INFORMAÇÕES:
Rua José Antonio Marinho, 430
Barão Geraldo - Campinas/SP
CEP: 13084-783
Fone: (19) 3289.2818
Email:
fsdown@fsdown.org.br

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

RECADINHO DA MARI


O Cantinho do Rodrigo
está quase completando 1 aninho
(dia 03 de março),
por isso o presente será para vocês, seguidores e amigos leitores!
Em breve o Blog estará de "carinha nova".
Aguardem !

bjs
Marilce

ONG DOE VIDA


A Doação de Órgãos

O nascimento é a celebração maior da vida, quando uma nova pessoa surge e traz felicidade para todos. Mas existe outro momento que enche de alegria os corações de muitos: é o nascer de novo. A oportunidade de recomeçar a vida, quando as esperanças já são poucas, é o maior presente que alguém pode receber. E existem pessoas que precisam muito deste presente. Por isso, precisamos nos conscientizar sobre a importância de ser um doador de órgãos.

Pense nisso, milhares de pessoas vão te agradecer.
Seja um Doador você também!
Doe VIDA!

PROGRAMA DIVERSIDADES

No Diversidades desta semana você vai conhecer o universo muito especial de pessoas com síndrome de down. O programa mostra o cotidiano de três personagens sensíveis, afáveis e bastante espertos com relação a tudo o que acontece em volta. São personagens da vida real que lutam pela inclusão e que, com o apoio da família, superaram o preconceito e a discriminação.
Fernanda Amaral, de 5 anos é a alegria da casa. Caçula de uma família de três filhos, ela nasceu com síndrome de down. Os exames durante o pré-natal não acusaram o problema genético. A notícia, recebida pelo pai primeiramente, só veio no dia do nascimento. "A pediatra me perguntou se eu não havia notado nada de diferente. Eu disse que era leigo e que achava que estava tudo normal. Foi quando ela disse que a Fernanda tinha traços de síndrome de down. O chão saiu dos meus pés naquele momento, mas eu falei que mesmo com a síndrome ou não, ela seria amada", conta o pai, Hernando Brasil. Hoje Fernanda estuda em uma escola regular e leva uma vida regada de amor e atenção. "Por lei, eu poderia pedir uma pensão por invalidez para a Fernandinha por ela ter síndrome de down, mas eu não quis. Eu acredito que ela é capaz e que ela pode levar uma vida como outra criança qualquer", afirma Jerusa Amaral, mãe de Fernanda.
Os inúmeros exemplos do sucesso de pessoas com síndrome é o que mais motiva os pais de Fernanda. Um modelo de superação pode ser contado na história de vida de Rodrigo Marinho. Mesmo com síndrome de down ele é funcionário em um gabinete na Câmara dos Deputados. Aos 39 anos, Rodrigo fala com sabedoria sobre sua condição. "Eu nasci para uma missão: fazer os outros felizes. Eu venci o preconceito. Vamos acabar com o preconceito…".
Você vai conhecer também no Diversidades a vida de Melina Pedroso, de 27 anos. Ela conta que muito cedo descobriu a paixão pelas artes plásticas. Começou a pintar por influência da mãe, e atualmente Melina é conhecida nacionalmente pelos quadros que faz usando cores fortes e representando o mundo que vê a sua volta. "Você tem que dizer pra você mesma que você é capaz, que você consegue. Que delícia, que prazer que eu sinto em pintar", conta.

O programa desta semana está especial!
Diversidades – histórias de brasileiros… de verdade!
O programa pode ser visto também no YouTube. Acesse:
http://www.youtube.com/user/canaldiversidades

E mais! O Diversidades tem um blog exclusivo, onde você pode encontrar dicas de sites e links interessantes: http://canaldiversidades.blogspot.com

Fonte – TV Justiça

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

FRASE DA SEMANA...

O mundo só vai querer ouvir você...
se você falar alguma coisa para ele.

O que você tem a dizer para o mundo?

pós-graduação com foco na pessoa com Síndrome de Down



O Instituto Ápice

Criado por pais que têm filhos com síndrome de Down, está lançando um curso de pós-graduação para profissionais da área da saúde e educação.
Os recursos arrecadados com a especialização serão aplicados no próprio instituto, para manutenção da estrutura física e pagamento de profissionais. No espaço são oferecidos atendimentos de fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, clínica médica e pediátrica, psicologia e pedagogia – são vários núcleos interdisciplinares que buscam a qualidade de vida.
“Estamos lançando a primeira pós-graduação do Brasil, em caráter interdisciplinar, em que a gente vai trabalhar a Síndrome de Down. A abordagem vai ser centrada na pessoa e não na síndrome”, explica a presidente do Instituto Ápice, Nadja Quadros.

Serviço:
Instituto Ápice
(61) 3202-9189 / 9106-6299
apice.saude@gmail.com
SHCGN 714/715 – Bloco B – Lote 02
CEP: 70.760-795 – Asa Norte – Brasília/DF

DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA EM POA/RS


Bom dia amigos,


Referente a postagem de ontem, segue mais informações:


Os testes de compatibilidade para doação de medula também podem ser feitos em POA nos seguintes locais:


- SANTA CASA (fone: 3214 8670)
- HEMOCENTRO ( fone: 3336 2843)
- HOSPITAL DE CLÍNICAS )fone: 2101 8504
)

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA


Boa dia amigos !!
Hoje venho solicitar ajuda para a esposa de um colega de trabalho.

Nos últimos resultados de exames não tiveram boas noticias (irmãs não compátiveis e quimios realizadas não tiveram sucesso), onde ela terá que passar por novas quimios e o transplante de medula o quanto antes, então enfatizo novamente o pedido a todos que possam fazer os testes.
Campanha para Wanessa Ramos Piatzchaki
Contato:
Jeferson Lopes de Oliveira
SENAI Caxias do Sul
55-54-32122233 / 55-54-99258619
ou pelo meu e-mail: marilcegiglio@hotmail.com


Qual é o procedimento realizado?
• Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde poderá doar medula óssea. Esta é coletada do interior de ossos da bacia, por meio de punções, e se recompõe em apenas 15 dias.
• Os doadores preenchem um formulário com dados pessoais e é coletada uma amostra de sangue com 5 ml para testes. O sangue coletado é enviado para um Serviço de Referência onde é realizado um teste de laboratório (exame de histocompatibilidade - HLA) que identifica características genéticas que podem influenciar no transplante.
• Os dados pessoais e os resultados dos testes são armazenados em um sistema informatizado que realiza o cruzamento com dados dos pacientes que estão necessitando de um transplante. Esse cadastro é feito apenas uma vez na vida e fica registrado até o doador completar 54 anos.
• Se confirmada essa compatibilidade, o doador será consultado para decidir quanto à doação.

Requisitos para a doação:
Ter entre 18 e 55 anos de idade;
Estar em boas condições de saúde;
Não é necessário estar em jejum;
Devem ser apresentados documento oficial de identidade e CPF.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011


Ajude o Senado a fazer leis melhores. Participe.

O Portal de Notícias do Senado Federal oferece um espaço, via internet, para que pessoas interessadas enviem sugestões, perguntem,
acompanhe as votações dos projetos.
O formulário disponível
neste link destina-se a elaborar leis
que beneficiarão as pessoas com deficiência.

Fonte: Senado Federal

SENAC Santo Amaro em São Paulo


Vagas para pessoas com deficiência no SENAC Santo Amaro em São Paulo

O Senac Santo Amaro contratará 6 (seis) pessoas com deficiência para compor o quadro de funcionários na área administrativa.
Os currículos deverão ser direcionados para o email maria.dmartins@sp.senac.br para que possam ser direcionados ao departamento responsável pela seleção.

Senac Santo Amaro
Tel 11 3737 3914
Fax 11 3737 3936
maria.dmartins@sp.senac.br
CEP: 70.760-795 – Asa Norte – Brasília/DF

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Fórum Social Mundial


Fórum Social Mundial

Casa Brasil – O Brasil conta com um espaço privilegiado no centro do campus da Universidade Cheikh Anta Diop, em Dacar, onde acontece o Fórum Social Mundial. O local, por onde circulam centenas de pessoas todos os dias, é coordenado pela Petrobrás e conta com representantes e materiais de diversas áreas do governo.
Dezenas de ativistas sociais de todo o mundo assistiram aos filmes "Carreto" e "Carnaval dos Deuses", que abordam a temática das pessoas com deficiência e da liberdade religiosa, respectivamente.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

IERGS



Educação Especial Inclusiva
Nestes últimos anos, a legislação brasileira tem favorecido a inclusão das pessoas portadoras de necessidades especiais no sistema tradicional de ensino. Por isso, se faz necessário formar profissionais capacitados para atuarem nas áreas de educação, saúde e afins.

O IERGS - Intituto Educacional do Rio Grande do Sul tem como finalidade promover o acesso à educação, levando instituições renomadas de ensino a pessoas que buscam se aperfeiçoar, seja em grandes centros ou pequenas cidades, através de cursos de graduação a distância, pós-graduação presencial, pós-graduação à distância. Os professores são selecionados entre Doutores, Mestres e Especialistas com experiência na área profissional e acadêmica, utilizando teoria e prática na metodologia de ensino.
Os cursos de Pós-graduação e MBA presenciais oferecidos pelo IERGS são realizados em parceria com a UNIASSELVI. Portaria nº 2.686, de 02/09/2004 (D.O.U. de 03/09/2004, seção 1, p.19), conforme resolução do MEC CNE/CES 001/2007.

EM PORTO ALEGRE
Praça XV de Novembro, 16 - 4 andar - Edifício Phênix
PORTO ALEGRE - RS
Fone: (51) 3061-7040
E-mail: contato@caminhosdosaber.com.br
http://www.iergs.com.br/institucional.php

Educação Especial Inclusiva

DISCIPLINAS :

Educação a Distância e Métodos de Autoaprendizado
Metodologia do Ensino Superior
Metodologia do Trabalho Científico
Competências Profissionais no Mundo Moderno
Estruturas Curriculares - Inter e Transdisciplinaridade
Educação Especial e Inclusão Escolar
Deficiência Mental
Deficiência Física
Deficiência visual
Deficiência Auditiva e Libras
Monografia/TCC

TOTAL 400 HORAS

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Processo de alimentação do lactante


ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DURANTE O PRIMEIRO ANO DE VIDA DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN

Para o lactante com síndrome de Down, a introdução da alimentação complementar vai ser um acúmulo de novas experiências. Convém converter estas experiências em algo agradável e respeitar o gosto e o apetite da criança, não devendo forçá-la a comer, já que a criança, desde pequena, controla seu apetite. Portanto, frente a uma recusa insistente de um alimento, é preferível suspendê-lo e tentar voltar a introduzi-lo alguns dias depois. Com a introdução da alimentação complementar, teremos múltiplas oportunidades para estimular o desenvolvimento psicomotor do lactante, procurando favorecer, na medida do possível, a autonomia do bebê.

Dificuldades nos lactantes com síndrome de Down, e formas de solucioná-las
Muitos lactantes com síndrome de Down não vão a ter nenhum problema na hora de introduzir a alimentação complementar, especialmente os que foram alimentados com leite materno, já que ele condiciona um melhor desenvolvimento motor oral.
Os pais costumam ficar preocupados e ter medo que a criança se engasgue e não consiga mastigar pela falta de dentes, que costumam aparecer um pouco mais tarde que em outras crianças. Algumas vezes, estas preocupações levam a um atraso na introdução dos alimentos para além dos 6-7 meses, o que é prejudicial para o desenvolvimento do lactante.
Os principais problemas, quando aparecem, estão relacionados com a mastigação e a deglutição. Em alguns casos, os lactantes cospem os alimentos, têm dificuldades para levar o alimento para a parte lateral da boca para começar a mastigação, ou têm dificuldades para beber líquidos de um copo ou inclusive para engolir o alimento. Estes problemas não nos devem fazer desistir de introduzir a alimentação complementar.

Para resolver estes problemas, recomenda-se começar até os 6 meses com uma alimentação semi-sólida. O alimento deve ser relativamente espesso, mas sem que dificulte os movimentos da língua e deve ser oferecido com colher, em pequenas quantidades, na parte central da boca e somente quando a língua estiver dentro da boca. A colher deve ser situada na zona média da língua, fazendo uma leve pressão para baixo. Com freqüência, se a criança não fecha a boca para engolir o alimento, é necessário ajudá-la imobilizando a mandíbula, quer dizer, ajudando-o com nossa mão a manter a boca fechada depois de introduzir o alimento, para que ela não possa cuspi-lo e para que os movimentos dos lábios e da língua melhorem. É conveniente colocar sempre a criança o mais vertical possível, com o tronco reto.
Depois, para facilitar o processo de aprendizagem da mastigação, pelos 7-9 meses, devemos ir aumentando a consistência dos alimentos passando-os menos pelo liquidificador. Em seguida, começar a oferecer alimentos sólidos, mas que se desfaçam facilmente na boca da criança. Esta fase costuma coincidir com a aparição dos primeiros incisivos. A criança tem que ir aprendendo a morder e mastigar. Depois de morder um pedaço, o alimento deve ser levado aos lados da boca para iniciar a lateralização da língua e para isso, em algumas ocasiões se necessita da ajuda da pessoa que está lhe dando a comida. Também algumas vezes devemos ajudá-la a manter a boca fechada.
Assim que for possível, começaremos a favorecer a autonomia da criança. Inicialmente, mediante o uso dos dedos para pegar os alimentos, començando com pão, biscoitos, pedaços de fruta; e depois, oferecendo-lhe uma grande variedade de alimentos com diferentes sabores, cheiros, texturas e cores. Mais adiante, durante o segundo ano de vida, começaremos a ensinar o uso da colher e a beber no copo.
Para aprender a utilizar a colher a criança deve estar corretamente sentada em uma cadeira adequada. O prato deve ser o suficientemente profundo para permitir que a criança encha facilmente a colher. Costuma ser necessário, a princípio, ajudá-lo, dirigindo seus movimentos (pôr a colher na boca, levar a colher até o prato e encher a colher). É preferível que os alimentos sejam sólidos, melhor que semi-sólidos para estimular a mastigação e não desenvolver condutas de sucção imaturas.
É importante começar a utilização do copo para beber por volta de um ano. Aos 18 meses é recomendável que não se utilize a mamadeira, especialmente se, quando se utilizar a colher, a criança tender a lambê-la e não a retrai a língua quando é oferecida a colher. Para ajudar à criança, às vezes é necessário começar com líquidos um pouco mais espessos e depois voltar gradualmente a sua consistência original. É importante que a criança mantenha a língua dentro da boca e não dentro nem debaixo do copo. Para isso, colocamos o copo sobre o lábio inferior, exercendo uma pequena pressão e, se for necessário, coloca-se um dedo da pessoa que ajuda a criança a beber debaixo da borda do copo e do lábio inferior para evitar que a língua saia da boca. Quando for possível, a criança passará a beber sozinho segurando o copo com as duas mãos e evitando o uso de copos com bico e com asas.
A aquisição destas e de outras habilidades durante o processo de alimentação do lactante durante os primeiros anos de vida supõe um grande desafio para os pais, mas contribuem de forma eficaz para o desenvolvimento psicomotor.


* Comer vai se converter numa grande tarefa educativa. A exploração visual dos alimentos, em combinação com o uso das mãos e, depois, da colher e do copo, são ações motoras complexas que elas vão adquirindo, e que contribuem para a sua independência e para o seu desenvolvimento global.

Ana Tejerina Puente
Pediatra, Centro de Salud Cazoña
Assessora Médica, Fundação Síndrome de Down de Cantabria, Santander

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Pequeno Príncipe


Pequeno Príncipe: a Raposa seria autista?

Em uma palestra sobre Autismo em São Paulo, uma francesa citou O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry. Capítulo XXI.
Neste capítulo o principezinho propõe a uma raposa que brinque com ele porque ele estava triste. Ela responde:

"... - Eu não posso brincar contigo. Não me cativaram ainda.
- O que quer dizer cativar?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa, significa criar laços.
...
- O que é preciso fazer? Perguntou o principezinho.
- É preciso ser paciente, respondeu a raposa. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal entendidos. Mas cada dia te sentarás mais perto..."
Quem tem um filhinho autista lembrou de alguém?

Tem mais:

" No dia seguinte o principezinho voltou.
- Teria sido melhor voltares à mesma hora. Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas então ficarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade. Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração... É preciso ritos.
- Que é um rito? Perguntou o principezinho.
- É uma coisa muito esquecida também, disse a raposa. É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; uma hora das outras horas..."
Será que a raposa do livro é autista?
Ou será que somente a raposa e os autistas lembram das coisas que já estão muito esquecidas?

Texto postado pela associada: Diva Santos na Lista Autismo no Brasil no
Blog Prática Pedagógica

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Parabéns pra você!!!!


Hoje é o aniversário de uma pessoa muito querida
por mim e por toda a família...
Hoje é o aniver da Dinda Grazi !

Dinda,
Seja feliz e realize passo a passo todos
os seus sonhos,sem nunca desanimar diante das barreiras
que atravessarem em seu caminho.
Estaremos sempre com você...

te amamos muito
bjs
Rodrigo & Cia

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011


Muito além do edredon
Por Beto Volpe
www.inclusive.org.br

Brasil 2016: o país sede das Olimpíadas firma-se como uma das três maiores potências mundiais no quadro de medalhas. Sonho? Talvez nos Jogos convencionais, mas nos Para Olímpicos é o mínimo que se pode esperar, ao menos do atletismo.
O Brasil encerrou neste final de semana sua participação nos Jogos Mundiais da modalidade na Nova Zelândia, atrás somente de China e Rússia e superando potências como Alemanha, Inglaterra e Estados Unidos. É de encher de orgulho todos os brasileiros e brasileiras. Mas o heróico feito passou quase desapercebido pela mídia, ela estava muito ocupada com outras disputas.
Recentemente o jornalista Pedro Bial referiu-se aos participantes da última edição do Big Brother Brasil como “heróis que terão que superar um árduo caminho até a vitória”. Será que ele ouviu falar de André Oliveira? O atleta de prata do salto em distância teve uma lesão gravíssima do joelho quando praticava a modalidade, acreditando ter encerrado sua carreira esportiva. Claro, aconteceu tudo ao contrário, ele recebeu um convite para continuar a pratica do esporte e hoje se revela uma das grandes esperanças de medalhas nos Jogos Para Olímpicos.
Será que ele conhece a velocista deficiente visual Terezinha que, além de garantir três medalhas de ouro para seu país, deu uma lição de humildade e companheirismo ao quebrar o protocolo da competição e subir ao pódio junto a seu atleta guia, dividindo com este seu ouro uma vez que somente o atleta principal recebe medalhas? Comportamento típico de qualquer grande irmão. É, Bial. O tal zoológico humano não contempla nosso mundo. Aliás, a maioria dos brasileiros e brasileiras só se enxerga nos participantes por serem eles o sonho de consumo da atualidade: ser burro, bonito e com dinheiro no bolso. Nem que para isso precise apunhalar seu aliado ali mesmo, embaixo do edredon.
Nossos heróis não têm a forma física baseada no retângulo áureo e nem são exemplos da beleza de fácil consumo. São pessoas de origem muito humilde, de trajetória extremamente complexa e que mantém o espírito de solidariedade mesmo em competição, pois sabem que o importante é competir. É, Bial, nossos heróis são diferentes dos seus. Os nossos heróis são os mais legítimos representantes de um povo que ainda vive baseado em regras de exclusão. E que dão ao mundo um exemplo de sucesso com luta e honradez, muito além do edredon.


Parabéns aos e às participantes do
Campeonato Mundial de Para Atletismo.
Parabéns à heróica delegação brasileira pela participação!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Programa Especial TV Brasil

O Programa Especial é totalmente dedicado à inclusão das pessoas com deficiência. Toda sexta-feira às 19h30min você pode acompanhar reportagens positivas, otimistas, descontraídas e acessíveis a todos. Para isso, o Programa conta com janela de LIBRAS, legenda e audidescrição.
Acesse AQUI e Seja muito bem-vindo!

Aspectos metabólicos e funcionais do zinco na síndrome de Down

Existem evidências experimentais que demonstram alterações na distribuição do zinco em organismos de indivíduos portadores da Síndrome de Down, bem como distúrbios bioquímicos, metabólicos e/ou hormonais,
manifestados pela deficiência desse mineral.
Várias pesquisas mostram os resultados promissores da suplementação com zinco na melhora de quadros clínicos, como o hipotireoidismo subclínico e alterações do sistema imune. Novos estudos sobre os mecanismos de interação do zinco diretamente com as enzimas que participam da conversão dos hormônios tireoidianos, ou influenciando a produção de citoquinas que participam do sistema imune, poderão fornecer bases para o entendimento bioquímico da interação desse mineral com as alterações hormonais e imunológicas na Síndrome de Down.

A PELE DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN

É relatada uma deficiência de imunidade celular e da resposta da IgG nas crianças com SD. Essa alteração imunológica provavelmente está ligada à susceptibilidade que os meninos e meninas Down apresentam às ectoparasitoses e às infecções de pele, sejam elas bacterianas, fúngicas ou virais. As crianças com SD mais freqüentemente desenvolvem sarna norueguesa (sarna crostosa), semelhante ao que ocorre em portadores das mais diversas imunodeficiências. As crianças Down com Dermatite Atópica (DA) requerem cuidados dermatológicos. A DA comumente está relacionada a uma maior predisposição à dermatoses outras, tais como queilite angular, foliculite, piodermites. É razoável esperar que a pessoa com SD e DA apresente também uma freqüência aumentada de problemas dermatológicos. Devemos estar atentos a estes fatos, considerando que as infecções de pele podem abrir porta para infecções invasivas, como pneumonia , endocardite bacteriana e meningite.A pele é o maior órgão do corpo humano e constitui uma importante barreira contra infecções -- cuidar bem da pele, portanto, significa prevenir muitas doenças.

Dra. Meire Gomes
Pediatra Geral formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.