segunda-feira, 30 de setembro de 2013

PROJETO PILOTO EM PORTO ALEGRE - Sistema para transporte de deficientes visuais

Começa hoje (30/09) o treinamento para o uso de um equipamento que vai facilitar a rotina de pessoas com deficiência visual que usam o transporte público em Porto Alegre. É o sistema DPS 2000, um aparelho transmissor desenvolvido para possibilitar o acesso aos serviços de transporte de forma autônoma e segura. O projeto, que funcionará por um mês em modo piloto, será testado por um grupo de deficientes visuais que utiliza a linha de ônibus Auxiliadora (510). O aparelho funciona de maneira simples: quando acionado no ponto de ônibus, um sinal de rádio com a solicitação passa a ser continuamente transmitida para o coletivo até a sua chegada ao terminal, para que o motorista saiba que deve realizar a parada. O sistema funciona por meio de dois módulos, um transmissor e um receptor. O primeiro será utilizado pelos passageiros e o segundo é fixo, instalado nos veículos da linha. Todos os horários programados na tabela horária da linha Auxiliadora estão equipados com a tecnologia. Para a fase piloto, foram selecionados grupos de passageiros, previamente treinados, que serão beneficiados pelo sistema de forma rotativa. Os motoristas da linha também receberão qualificação. Os usuários são associados das entidades União de Cegos do RS (Ucergs), Associação de Cegos do RS (Acergs) e Associação de Cegos Louis Braille (Acelb), e devem apresentar um relatório ao final do processo.

sábado, 28 de setembro de 2013

Caderneta da criança com Síndrome de Down



Bebês e crianças com síndrome de Down precisam receber imunização extra e realizar algumas avaliações médicas para garantir uma vida saudável. Você sabe quais são esses exames e vacinas? Baixe já a caderneta de saúde da criança com síndrome de Down disponível no portal do Movimento Down!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Descendo das PONTAS DOS PÉS

Quadros em que crianças com autismo marcham nas pontas dos pés são relativamente frequentes e podem ser causadas por múltiplos fatores, tais como alterações de comportamento, mudanças no processamento sensorial e modificações no tônus muscular da região da panturrilha. Uma equipe interdisciplinar, composta de especialistas de várias áreas, que tenham experiência em transtorno do espectro autista, saberá diferenciar se a marcha nas pontas dos pés é fruto de alguma doença provocada por paralisia cerebral ou apenas uma atitude proveniente de uma alteração no comportamento e/ou no processamento sensorial da criança. Os autistas “puros”, ou seja, aqueles que não têm comorbidades (doenças que ocorrem junto com a deficiência), em geral não apresentam alterações de tônus muscular. Em quadros assim, é contra-indicada a prescrição de algum tipo de órtese suropodálica para posicionamento dos pés (as chamadas goteiras corretivas). O esperado é que em algum momento a criança desça das pontas dos pés (ao sentar-se ou deitar-se, por exemplo), o que naturalmente irá alongando a musculatura da panturrilha, contribuindo para preservar a amplitude do movimento. A prescrição de órteses, nesses casos, precisa levar em conta que seu uso pode desencadear outras alterações de comportamento – a criança pode vir, por exemplo, a se negar a andar sem a órtese. Nos raros casos em que o uso da goteira é indicado, a orientação interdisciplinar dirigida aos pais deve destacar aspectos como a apresentação adequada do equipamento à criança, seu tempo de uso e de descanso e, sobretudo, a previsão de sua retirada definitiva. Quando o autista permanece o tempo todo nas pontas dos pés -- o que pode levar a lesões e contraturas musculares sérias nas panturrilhas --, recomenda-se aos pais e/ou cuidadores que tratem o local com massagens, bolsa de água quente e manobras de alongamento, a fim de aliviar a tensão. fonte: SCHWARTZMAN, JS, ARAUJO, CA. Transtorno do espectro do autismo. São Paulo: Memnon, 2011. FONTE: http://transtornosinvasivosdesenvolvimento.zip.net/arch2012-10-14_2012-10-20.html

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Atenção pessoal de Porto Alegre !!!

Amanhã começa o Campeonato Brasileiro de Esgrima em Cadeira de Rodas. E esse ano a competição será realizada aqui na Querência, em Porto Alegre! Ótima oportunidade para torcer pela gauchada! Força nas peleias Monica, Suelen, Vanderson, Mauricio, Lauro, Jovane, Daiane, Rudi e toda turma da ASASEPODE!

sábado, 7 de setembro de 2013

surfe adaptado

Pioneiro do surfe adaptado no Rio Grande do Sul busca patrocínio com apoio da RS Paradesporto


Natural de Xangri-lá (RS), Paulo Ricardo Souza, 23 anos, descobriu o surfe aos 9 anos através do bodyboard. Aos cinco meses de idade, ele acabou vítima da paralisia infantil devido a reação da vacina, fato que o fez aprender a caminhar somente aos seis anos de idade. Com o passar dos anos, o surfe ganhou importância em sua busca pelo equilíbrio físico e mental e assim descobriu o Kneeboard (surf de joelhos).

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

FELIZ DIA DO IRMÃO!

Recadinho do Rodrigo:

Hoje é o  Dia do " sai Dé...",
 quero "Kuco(suco) Dí", 
enfim ...
é o Dia de dizer que eu "mamo"(amo) muito vcs dois...

bj do Digo (Rodrigo)

Compartilhem com suas redes!

Participe! 

Pesquisa da ONU sobre pessoas com deficiência em situações de desastre




Conversando com a Fonoaudióloga !!


A Fonoaudiologia e a Amamentação

Olá pessoal! Hoje venho falar sobre um tema que é extremamente importante para a fase inicial do desenvolvimento das nossas crianças: a amamentação. Atualmente temos falado bastante sobre a importância do aleitamento materno exclusivo até os seis meses. Este período é preconizado pela Organização Mundial de Saúde e deve ser seguido em vista dos grandes benefícios para a criança e para a mãe.
O aleitamento materno proporciona a nutrição adequada e ideal para a criança, previne doenças e favorece o crescimento craniofacial harmônico. Ainda, aprimora o desenvolvimento da coordenação entre funções fisiológicas como a respiração e a deglutição e prepara os órgãos da fala, como a língua, os lábios e as bochechas. A amamentação garante espaço na boca para o posicionamento dos dentes e a movimentação de cerca de 20 músculos da face. A sucção produzida pela criança para obtenção do leite materno é essencial para o crescimento e desenvolvimento dessas estruturas e funções.
O desenvolvimento ósseo, muscular e funcional irá depender também de um bom posicionamento do bebê durante a amamentação, evitando que ele esteja deitado. É importante para que o refluxo de leite para a orelha seja evitado. Assim, prevenimos as infecções de ouvido que podem prejudicar a audição da criança e, consequentemente, interferir no desenvolvimento adequado da linguagem e aquisição da fala.
O profissional Fonoaudiólogo entra nesse processo com o objetivo de facilitar o desenvolvimento da amamentação de crianças e mães com dificuldades, favorecendo um melhor desempenho. Irá atuar especialmente nos casos de sucção débil, uso de sonda e dificuldades na “pega” do seio materno. Por fim, é importante lembrar que o aleitamento materno vai muito além da alimentação e nutrição da criança. O vínculo criado entre a mãe e o bebê, por meio do processo de amamentação, possibilita a manutenção do vínculo e do afeto, também trazendo benefícios para o desenvolvimento emocional da criança. Por isso vale tanto a pena!


Fga. Léia Gonçalves Gurgel – CRFa 9464-RS (leiagg@yahoo.com.br)

AUTISMO - Informar para a convivência melhorar !!


Identificando o Olhar do Autista

Muitas crianças, quando começam a ficar sobrecarregadas, vão mostrar uma "resposta de congelamento". Elas costumam desviar o olhar, ter uma expressão vidrada e fora de si. Às vezes a criança pode se envolver em stimming , fechar os olhos , colocar a sua cabeça para baixo, ou tapar os ouvidos. Este é o momento temporário que nos dá pistas que a criança está se sentindo oprimida. O processo de informação está chegando muito rápido. O cérebro, inicialmente, tentar desligar ou bloquear o estímulo para evitar a sobrecarga. Para muitas crianças esse momento de congelamento significa afastar as demandas, diminuir a estimulação, e permitir que se recupere. Respeite este sinal, porque a criança está tentando "se organizar", escapando do estímulo que é sobrecarregado.

Tenha cuidado. Quando vemos sua apatia e desobediência como resistência, a tendência é pressionar a criança a responder. Isso vai sobrecarregar ainda mais a criança que está tentando se organizar e se recuperar. Este congelamento temporário é apenas isso, temporário! Se você continuar a pressionar a criança, ele vai de congelamento para " lutar ou fugir" ( pânico ). O cérebro em pânico agirá para lutar ou fugir. Em seguida, a criança é o rótulo violento , agressivo e perturbador.

Quando você vê essa resposta de congelamento: (1) Reconheça que a criança está sobrecarregada; (2 ) Retire todas as demandas, diminuindo seu tom de voz; (3) Assegure-lhe de que está segura e que é aceita; ( 4) Permita-lhe tempo para se recuperar. Minimize sua interação, para minimizar a sobrecarga da criança. Basta deixá-las escapar e se recuperar. Ajudá-las a se sentir "seguros" num momento em que eles estão se sentindo vulneráveis. Muitas vezes, a criança pode se recuperar simplesmente afastando as demandas e abaixando a estimulação.

Tente analisar o caso para entender o que pode estar sobrecarregando a criança. Pode ser que as demandas são muito difíceis ou chegando muito rápido, ou simplesmente que a criança está ficando exausta. Elas poderiam ser dominadas pelo barulho ou atividade acontecendo ao seu redor, o pânico de algo inesperado, ou simplesmente congelar devido à ansiedade de ter desempenho na tarefa. Quando a criança se recuperar, esteja ciente de que o seu sistema nervoso ainda está muito esgotado, e pode ser facilmente dominado novamente. Minimize as demandas, divida-as em etapas simples, prossiga com um ritmo mais lento e forneça assistência adicional para apoiar a criança. Para muitas crianças, respeitando esses sinais, recuando e transmitindo confiança, podem se recuperar rapidamente e assim continuando a atividade. Para outras, podem precisar fugir para uma área segura para se reorganizarem e se recuperar.

Se você respeitar essa resposta de "congelar" e apoiar a criança, ela vai confiar em seguir a sua liderança !


Por Ana Dultra

VOLTAMOS !!!

Olá amigos,

Depois de muito tempo longe voltamos...pois é...aconteceram muitas coisas nestes últimos tempos.
Vamos lá então contar de uma forma resumida tudo que houve:

O nosso querido Rodrigão esteve internado 20 dias aproximadamente!
É...ele teve CELULITE ORBITÁRIA (segue abaixo o que é)...claro que na véspera da minha Formatura (fotos)!!! Mas deu tudo certo e ele tá firme e forte novamente... e a formatura?? foi um momento maravilhoso!!

Informo também que estaremos postando em seguida matérias que estavam atrasadas, como a da nossa querida Fono Léia! Uma matéria ainda sobre AUTISMO, pois é importante que todos entendam e respeitem o que se passa com estas crianças...enfim, vamos nos falando novamente por aqui.

* Quem tiver algum assunto importante ou matéria que queira socializar entre em contato comigo pelo
e-mail: marilcegiglio@hotmail.com

Abração !!!
Marilce Giglio
(agora ...ASSISTENTE SOCIAL !!)


Atenção papais e mamães: Muitas vezes achamos que foi algum inseto que picou e deixamos passar...é uma infecção muito séria, principalmente nos olhos, região muito próxima do cérebro (que poderá evoluir para uma meningite).

A celulite orbitária é uma infecção dos tecidos que rodeiam o globo ocular.
A infecção pode propagar-se a partir dos seios perinasais, dos dentes ou da corrente sanguínea ou então desenvolver-se depois de uma cirurgia do olho. Os sintomas da celulite orbitária são olhos salientes, menor movimento ocular e inflamação e escurecimento do globo ocular. Se não for tratada de forma adequada, a celulite orbitária pode provocar cegueira, infecção do cérebro e da espinal medula e coágulos de sangue no cérebro.
Diagnóstico e tratamento
Os médicos em geral podem reconhecer a celulite orbitária sem recorrer a testes de diagnóstico. No entanto, para determinar a causa pode ser necessária uma avaliação mais exaustiva, que inclua uma revisão aos dentes e à boca, bem como radiografias ou uma tomografia axial computadorizada (TAC) para analisar os seios. Com frequência, os médicos obtêm amostras do revestimento do olho e da pele, do sangue, da garganta ou dos seios e enviam-nas para o laboratório para a respectiva cultura. Estas análises ajudam a determinar que tipo de bactéria está a provocar a infecção e que tratamento deverá ser utilizado.
Os antibióticos orais são administrados nos casos ligeiros; os antibióticos intravenosos são aplicados em casos graves. O antibiótico que for usado no início pode ser mudado se os resultados da cultura indicarem que outro resultará mais eficazmente. Por vezes, recorre-se à cirurgia para drenar um foco de infecção (abcesso) ou um seio infectado.